quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Manhãs de nevoeiro



Muitas vezes dou comigo a pensar o que é que passa pela cabeça dos médicos para terem certas reacções face ao nosso trabalho. Naturalmente, temos um modo diferente de olhar o doente e o processo de doença, motivado pela formação de base e experiências prévias, no entanto temos sempre "a mania" de pensar que os outros pensam da mesma maneira que nós. E depois arrependemo-nos. E começo assim, quando tento perceber porque os nossos cuidados, entre muitos outros factores, não têm a representatividade e a importância devida.

Pois então imaginei...no contexto de um internamento hospitalar, um médico entra no serviço lá pras 8h30, 9h, salvo raras excepções mais cedo, e depara-se com o quê?? Com um conjunto de doentes (salvo situação clínica) calmos, a dormir, a respirar regularmente, sem dores, confortavelmente deitados, sem dejecções ou micções no leito... E isto acontece TODOS OS DIAS...

Por isso lembrei-me... para os médicos, que todos os dias vêm esta situação de manhã, esta é ENCARADA COMO NORMAL, NATURAL, diria até GARANTIDA... Afinal, é mesmo o essencial... que eles respirem, comam, durmam...que estejam VIVOS!

A grande questão, é que eles não continuam vivos POR ACASO, ou por obra e graça do divino Espírito Santo! Foram precisos muitos cuidados durante noites longas, duras e sofridas para que, todas as manhãs, os doentes continuem (na sua maioria) vivos, como em todos os outros dias!

Por isso dou-me à tentação de pensar que, de tal maneira os cuidados prestados nas noites são essenciais, no sentido de básicos, mas igualmente importantes, que só os médicos de urgência sabem o que passamos em todas essas noites!

Todos os outros, aqueles que só aparecem de manhã,não vêm esta "normalidade" como resultado do nosso trabalho e, na maioria das vezes, desvalorizam... E porquê? Porque muitas vezes " ... o essencial é invisível aos olhos!"

aquele abraço

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

SEGUNDA FASE DE RESPOSTAS DO PAINEL «DELPHI» PARA A DEFINIÇÃO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA - DE 2 A 16 DE FEVEREIRO


Pessoal, MAIS UMA OPORTUNIDADE DE CONTRIBUIÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA PROFISSÃO!

Quantos de nós criticamos a Ordem pela falta de iniciativa, despropositação e inadequação de algumas tomadas de posição (ou falta desta)!?? Quantas vezes nos questionamos da verdadeira utilidade deste organismo?

Posso dizer que esta é uma iniciativa de valor, aquela que pretende definir as competências dos Enfermeiros Especialistas! Quem vamos ser, que vamos fazer, quais serão as nossas competências, é a discussão que a Ordem abre à classe, através de um painel Delphi, já na segunda fase! É fundamental discutirmos os aspectos que não obtiveram consenso na primeira fase, através de novo preenchimento de questionário, na qual TODOS TEMOS UMA PALAVRA A DIZER!

Por isso mesmo, acedam ao link www.ordemenfermeiros.pt/index.php?page=44&highlight=928#highlight928, onde poderão encontrar toda a informação, da qual deixo apenas um resumo:

" Tem hoje início a segunda fase de respostas do painel «Delphi» para a definição do perfil de competências o enfermeiro especialista, uma iniciativa do Conselho de Enfermagem da Ordem dos Enfermeiros e que se insere no processo de implementação do Modelo de Desenvolvimento Profissional.

Solicita-se a todos os membros que participem nesta iniciativa. Para isso basta que acedam ao endereço da Universidade do Minho (http://alpha.dsi.uminho.pt/delphi), que introduzam o código e a password utilizados na primeira fase de respostas e que foi remetido por carta aos membros da OE no final de Novembro de 2009, e que respondam ao questionário aí presente. O questionário desta segunda fase diz apenas respeito às questões que não obtiveram consenso na primeira fase de respostas.

Caso necessite de novo código e password, por favor solicite-o através do seguinte endereço: delphi@ordemenfermeiros.pt."

A NÃO PERDER!

aquele abraço

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

O regresso e a Manif!


Custou, mas foi! Depois de algum tempo de ausência, aqui vos deixo algumas fotos daquela que foi a maior das manifestações de Enfermeiros dos últimos 30 anos!

Estamos, MESMO, de PARABÉNS!
Enviámos um forte sinal ao Governo, não estamos a brincar, não aceitamos ser discriminados e rebaixados, não vamos permitir que aumentem (e muito bem) os ordenados a professores, a gestores hospitalares e a médicos (que vão, de certeza aumentar, nas próximas negociações com o Governo, já neste mês, POR ISSO MUITA ATENÇÃO QUE ELES SÃO RATOS E VÃO TENTAR FAZER TUDO NO SEGREDO DOS DEUSES)e que os enfermeiros, OS ENTEADOS DO SNS, continuem a ser esquecidos nos aumentos salariais e afins!

Porque merecemos que nos seja reconhecido o risco, a penosidade e a responsabilidade inerentes à prática profissional! Isso implica a melhoria das condições financeiras, de reconhecimento da formação e autoridade dos lugares de chefia!

Falta referir duas coisas:

- Primeira, NATURALMENTE, UMA MANIF, POR MAIS PESADA QUE SEJA, NÃO CHEGA! Não podemos por isso desanimar, desencorajar, desesperar! Afinal (o que continua a ser desrespeitoso da classe, parecendo que estão a brincar connosco) temos ronda negocial com o Governo no dia 26 DE FEVEREIRO!

- Segunda, o que quer que façamos a seguir, VAI TER DE SER PIOR, TER MAIS VISIBILIDADE! De algum modo se coloca a vida dos utentes em risco, mas seja através de paralização nacional do trânsito ou ainda de paralisação dos Blocos Operatórios, criando um fundo comunitário que ajude esses enfermeiros a enfrentar uma duas ou as semanas de greve que forem precisas (situação que terá de ser analisada delicadamente, instituição a instituição!), vamos ter de dar outro sinal fortíssimo! VAI SER DIFICÍLIMO, MAS
É PRECISA FORÇA, PACIÊNCIA, PERSEVERANÇA, CERTEZA QUE ESTAMOS DO LADO CERTO DA BARRICADA!


Finalmente, temos de ser inteligentes! Temos de passar a mensagem correcta aos utentes, sobre aquilo que estamos a fazer! Foi opinião de muitos que,na última manif, para os media, se falou DEMASIADO DA QUESTÃO SALARIAL!Era o motivo da greve, mas não havia necessidade! Como faz o nosso "amigo" do Governo, há que saber dosear muito bem o que se diz e como se diz, tornando o negativo no máximo positivo possível! Sendo assim e assim sendo, importa veicular duas ideias principais:

NÃO QUEREMOS NENHUM AUMENTO, APENAS AQUILO QUE NOS É MAIS QUE JUSTO, A EQUALIZAÇÃO SALARIAL COM OUTROS GRUPOS PROFISSIONAIS!

A MELHORIA DAS CONDIÇÕES PROFISSIONAIS DOS ENFERMEIROS, CONDUCENTE A MAIOR MOTIVAÇÃO E INVESTIMENTO NO CRESCIMENTO DA PROFISSÃO, PERMITIRÁ MELHORAR A QUALIDADE DOS CUIDADOS DE SAÚDE (e não só de enfermagem, pois são interdependentes) EM TODO O PAÍS!

aquele abraço