terça-feira, 15 de junho de 2010

Ora bolas!

Fogo, fiquei mesmo chateado... não estava nada à espera que isto terminasse assim! Ora bolas! :p

Realmente, o primeiro pensamento que qualquer um de nós pode ter é



Uns dizem que foi o acordo possível, outros que nem pensar e amanhã vão falar com o ministério de tão zangados que estão, o que é certo é que, para a maioria da classe: nada, niente, zero, kaput, finito.

Fica também a sensação de:



E será que foi?? Umas quantas coroas para a gestão (e nem foram muitas), mais uns quantos lugares para principais (quando se negociar a avaliação de desempenho - e o modo de se chegar a principal - é que vamos ver), e pouco mais se conseguiu "extrair" do MS.

A verdade é que os tempos são difíceis, o momento não será o mais adequado e os "espertos do costume" já vieram dizer que aceitam congelar a negociação dos ordenados este ano, ficando apenas a discutir as restantes matérias de carreira, o resto se verá para o ano (http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1591436). E nós, será que não devíamos ter feito o mesmo? Se calhar não, porque segundo o veiculado na mesma notícia, diz Guadalupe Simões que "Estaríamos dispostos a adiar a negociação se o Ministério dissesse que as nossas reivindicações são justas e que teriam resposta mais tarde". Mas não diz e não fez.

Parece que acabou tudo por aqui, mas será que acabou mesmo? A meu ver, só restam dois caminhos, ambos difíceis.

- O da paciência, perseverança e inteligência estratégica, de divulgação geral do que somos e fazemos das mais variadas formas, para daqui a uns anos lutar a sério por isto;

- O da guerra, já que nos atacam e fazem de nós gato sapato, façamos o mesmo deles, atinjamos onde dói e custa mais: na produtividade da saúde, Blocos Operatórios e Ambulatórios em Força!!!

Agora, para os dois é preciso UNIÃO, CORAGEM, ESPÍRITO PROFISSIONAL E DE BATALHA!!!

Estamos indignados, é certo, mas... SERÁ QUE OS TEMOS?

aquele abraço

1 comentário:

  1. Brilhante análise, muito diferente de outros blogs que só deitam abaixo e que culpam os que menos culpa têm. Temos que mudar a estratégia, porque o momento não é propício e voltar a atacar noutras frentes. Assim é que é. Mas sempre, sempre unidos.
    Gostei, pode continuar!

    ResponderEliminar