sexta-feira, 16 de setembro de 2011

A resposta à crítica do artigo "Profissões Escaldantes"




A resposta foi célere e, compreensivelmente, diferente da minha perspectiva. Em Portugal, os media não estão habituados que determinados assuntos sejam questionados, que determinadas visões sejam equacionadas e reenquadradas...

Cabe aos Enfermeiros estar atentos ao modo como os media divulgam a imagem da Profissão. Sabendo que esta influencia o modo como e no que o público pensa, é fundamental encetar um diálogo construtivo e até pedagógico com os media, de forma a que estes apresentem uma imagem da Enfermagem coincidente com os seus conhecimentos e competências actuais!


Segue a resposta de Vasco Galvão-Teles (Director Geral):

"Caro José Martins,


Desde já muito agradeço o seu e-mail e a sua crítica, pois são sempre as críticas que nos fazem evoluir e pensar.


Neste caso, embora perceba o seu ponto de vista e tudo o que nos transmite, não podemos concordar com a conclusão de base – que estamos a generalizar a uma classe inteira e que essa hipotética generalização retiraria qualquer tipo de respeito e crédito aos enfermeiros, ou mais precisamente, às enfermeiras.


Acredito em termos pessoais, e nesse sentido posso estendê-lo à Happy, que tanto os enfermeiros como os médicos são duas das profissões pelas quais mais respeito deveremos ter. Esse respeito deve, como é óbvio, ser extensível a quem exerce essas profissões.


O artigo descreve apenas uma realidade que existe nos bastidores de algumas profissões. Não pretende fazer qualquer tipo de julgamento sobre as pessoas nem sobre as suas atitudes. De resto a Happy caracteriza-se não por defender que na esmagadora maioria das situações não devemos julgar os outros, nem cair na tentação de fazer juízos precipitados. Todos temos o direito de escolher o nosso caminho desde que esse não interfira no caminho dos outros. Desta forma, é nossa convicção que a leitora ou leitor da Happy compreende o contexto e nunca fará um juízo precipitado e muito menos errado.


Como lhe digo, percebo o que nos diz, mas acho que a percepção que descreve não vai ser a das nossas leitoras e leitores. Não foi essa mensagem que quisemos passar e acreditamos que não é essa mensagem que passa.


Mais uma vez, reforço-lhe o respeito que temos pelos enfermeiros e pelos médicos que, felizmente, acreditamos que é partilhado pela maioria das pessoas.



Obrigado por nos ter escrito.


Com os meus melhores cumprimentos,

Vasco Galvão-Teles

(Director-Geral)"


aquele abraço

Sem comentários:

Enviar um comentário